Pega carona nesse balão

05/08/2018

Cinco anos atrás eu estava muito perdido, passando por um problema grande na família.

Quando se é muito jovem acho que não vemos muitas soluções, por isso eu pensei por várias vezes que não queria mais viver e acabei tentando por sete vezes não estar mais vivo.

Mas a vida foi tomando outros caminhos e eu acabei entrando para o programa de aprendizado, o que foi essencial para me preparar para trabalhar em uma empresa.

Eu não sabia como me comportar porque não tinha tido experiência profissional anterior. Além disso, as aulas abordavam temas atuais, como os direitos trabalhistas. Por causa desse debate eu agora me sinto preparado para o mercado de trabalho, eu sei os meus direitos e posso correr atrás deles.

Durante a semana trabalho na Atento Brasil – estou há quase um ano lá – e nos fins de semana no circo. Eu sou cuspidor de fogo e recepcionista das festas. Eu faço por puro amor, porque é muito cansativo trabalhar todos os dias.

Hoje penso muito no futuro e o que eu quero é aproveitar a vida.

Pretendo cursar Psicologia, porque sempre tive um grande fascínio pela mente humana, ela é um grande mistério. Mas acabei adiando esse plano porque agora estou construindo a minha própria casa.

Quero montar meu próprio negócio: um “podrão” de batata frita em Parque Anchieta, onde eu moro. Lá tem uma praça e os restaurantes em volta vendem tudo muito caro. Quero ser bem-sucedido para pegar a minha Kombi e viajar pelo mundo.

Para mim sonho é algo que alcançamos quando estamos totalmente realizados na vida. Por isso, meu maior sonho é tomar açaí em um balão. Eu adoro altura e eu adoro açaí. Quero viver essa emoção quando estiver realizado em todos os outros aspectos da minha vida.

Se eu pudesse falar com o Raul de 15 anos, diria para ele ficar tranquilo porque tudo está dano certo.

Autor: Gabriela Buenos Ayres e Isabel Salgado