Juntas somos mais fortes

16/07/2018

Projeto fruto do Juventude Empreendedora incentiva a autonomia das mulheres negras da periferia e nasce da autodescoberta de uma delas

Não é de ontem que a união e a sororiedade entre mulheres, independente de suas histórias, cores ou classes sociais, se tornou fundamental. No projeto ENegras, as mulheres negras têm a oportunidade de participar de rodas de conversa para o intercâmbio de vivências, acolhimento e também aprender lições de empreendedorismo e formar redes e amizades.

O projeto nasceu da redescoberta de Emanoela Tomaz, mulher negra moradora de Vila Kennedy, como mulher negra forte e segura: “Foi um momento libertador para mim, em que percebi que eu não precisava ficar me escondendo. Aos poucos eu fui me apropriando de quem eu realmente era”, conta Manu.

Com o desejo de levar esse sentimento de aceitação para mais mulheres, o ENegras foi ganhando forma e, com a ajuda do projeto Juventude Empreendedora, iniciativa do CIEDS com apoio da Fundação Itaú Social, começou a entrar em ação. 

Hoje, o ENegras já tem um ano de atuação, data que foi comemorada no dia 30 de junho com um evento mais do que especial.

“Eu quis levar a questão do empoderamento e o quanto podemos estar juntas em prol de um bem comum”, explica Emanoela.

A comemoração contou com rodas de conversa sobre economia criativa, empoderamento e cuidado e autocuidado, além de diálogos com o movimento de mulheres periféricas empreendedoras e uma oficina de arteterapia, com foco no relaxamento e autodescoberta. 

“Eu consegui reunir assuntos que estavam de acordo com as necessidades das mulheres. Não é comum se ter uma roda de conversa gratuita sobre economia criativa, economia solidária ou sobre movimentos empreendedores dentro de favelas”, ela completa.

Uma apresentação sobre cuidado e afeto encerrou o evento, que também deu espaço e oportunidades para que mulheres negras empreendedoras expusessem seus produtos e negócios.

“Para mim o evento foi muito positivo porque o projeto ENegras é voltado para mulheres negras e poder ver que no evento tivemos um número expressivo delas presente foi gratificante.” 

O projeto Juventude Empreendedora, iniciativa do CIEDS e apoio da Fundação Itaú Social, teve seu piloto no ano passado. Sua missão foi fazer com que jovens que vivem em situação de vulnerabilidade social no Rio de Janeiro repensem seus projetos de vida, aprimorando competências empreendedoras e desenvolvendo a cultura colaborativa ao apresentar o empreendedorismo como uma alternativa de fonte de renda, mudança de vida e melhoria do território em que se está inserido.
 

Autor: Victoria Guimarães