Ensaio fotográfico e pesquisa dão visibilidade a catadores de Pacajus

07/06/2021

Iniciativa é do CIEDS do lado do Instituto Malwee e Reino Evangelizar

Um webinar, que acontece na próxima sexta  (11), às 10h, no YouTube do CIEDS, marca o lançamento da publicação “Mais Perto do Céu – Fotografia das catadoras e catadores de recicláveis de Pacajus, Ceará”. O trabalho, que reúne um ensaio fotográfico de Felipe Souza e informações coletadas em uma pesquisa de perfil sociofamiliar, mostra a realidade de cada uma das 65 pessoas trabalhadoras do lixão de Pacajus. A iniciativa surgiu no contexto do coronavírus, no âmbito do projeto Atitudes do Bem, uma parceria do CIEDS com o Instituto Malwee e o Reino Evangelizar.

Mais de 800 cestas básicas foram entregues às famílias trabalhadoras do lixão, ao longo de oito meses, a partir de outubro de 2020. Do lixão, localizado no ponto mais alto da cidade, onde o resíduo quase alcança o céu, sem a presença de drenagem e cobertura adequadas, a equipe estava diante do trabalho fundamental dos catadores e catadoras, muitas vezes invisível à sociedade. Uma câmera fotográfica e muitas conversas registraram o cotidiano daqueles que catam, separam e destinam o lixo.

Daí surge também a pesquisa de perfil sociofamiliar, com o objetivo de coletar informações sobre essas famílias e suas maiores necessidades, para construir ações intersetoriais – Terceiro Setor, Iniciativa Privada e Poder Público – para responder às principais demandas. A publicação, que reúne as fotografias e os resultados da pesquisa, tem como objetivo dar amplitude e visibilidade aos trabalhadores. A intenção foi dar luz, porque é assim que a fotografia se dá em seu princípio, a essas pessoas: seus rostos, seus desafios e suas necessidades, na expectativa de criar, juntos, um caminho aterrado de possibilidades e direitos aos catadores e catadoras de resíduos de Pacajus.

“Mais Perto do Céu” tem o intuito de servir também para a valorização dos profissionais das artes por usarem-a como instrumento de memória, resistência e luta, além de um presente aos catadoras e catadores: para que tenham seus sorrisos e dores revelados, que sejam apontadas suas necessidades e possíveis soluções, e, sobretudo, sua grande beleza.

Como surgiu a iniciativa

O CIEDS, por meio do CCMB (Centro Cultural Maloca dos Brilhante), foi convidado pelo Instituto Malwee para formar uma rede solidária no território, ampliar e apoiar tecnicamente o projeto, que já era realizado, por meio de voluntários da Reino Evangelizar, desde abril de 2020, com a entrega de cestas básicas para a população. O Instituto Malwee, por meio de sua atuação no território, identificou a necessidade de juntar esforços para aumentar o impacto positivo junto às famílias.

O CCMB existe para valorizar a cultura local de Pacajus e para facilitar possibilidades e acessos à sua população. É nesse sentido que a publicação “Mais Perto do Céu” é não só um chamado para a criação de programas e projetos que atendam às necessidades e aos direitos dos catadores e catadoras do lixão de Pacajus, mas também para a valorização das artes e dos artistas, em um momento de pandemia em que esses profissionais foram extremamente impactados.

A percepção de que era importante aplicar uma pesquisa de perfil sociofamiliar a fim de conhecer os trabalhadores do lixão fez o material ganhar outros formatos, potencializados pela participação ativa de Felipe Souza, fotógrafo voluntário do CIEDS. O olhar documental dele mostra sua sensibilidade e nos revela aquilo que, muitas vezes, as palavras não dão conta. É por isso que este é um projeto fotográfico e social, onde textos e imagens trazem um conteúdo urgente, sendo as duas linguagens complementares e essenciais.

Texto por: Bruna Santamarina

Últimas notícias

  • CIEDS é uma das 100 Melhores ONGs de 2021

    Premiação será nesta quinta, dia 9/12, no YouTube do Canal Futura

    Leia Mais
  • Últimos dias para se inscrever no Juventude Empreendedora

    Programa de empreendedorismo chega a São João da Barra e região, no RJ

    Leia Mais
  • Mulheres empreendedoras mexem no lugar mais estrutural da sociedade

    Leia o artigo da Diretora de Novos Negócios e Inovação, Rosane Santiago

    Leia Mais