Carla conta como o Pintar o Bem foi essencial para complementar sua renda

28/09/2020

Grafiteira e moradora de Bangu, sua história com o CIEDS é de longa data.

Carla é uma das 1.995 beneficiárias do Programa Pintar o Bem, iniciativa do CIEDS com a Suvinil e parceria estratégica do Banco Afro, que fortalece, com conteúdos qualificados e apoio financeiro complementar, pintores e pintoras que perderam seus trabalhos durante a pandemia. Ela agradece e reconhece o valor do projeto, ainda mais porque sua história com o CIEDS já vem de longe. 

“Eu sou uma pintora diferente, eu trabalho com graffiti e as pessoas muitas vezes não sabem, mas grafiteiras também pintam parede, usam rolo, tinta e bandeja. Usamos o spray e técnicas de pintura com tinta de parede a base d'agua ou tinta de piso. Foi muito bom ser contemplada no Pintar o Bem e ter a nossa profissão reconhecida também”, diz. 

Carioca, moradora da Vila Kenedy, em Bangu, Carla hoje é grafiteira e desenvolve outros trabalhos como coordenadora de pesquisa, coordenadora de projeto, agente de campo de projetos sociais. Foi assim também que esteve com o CIEDS pela primeira vez: “Faço parte do Centro de Convivência Mais que Vencedores, instituição que já foi parceira do CIEDS em diversas ações e juntos já apoiamos muitas mulheres e famílias. Nosso primeiro projeto, o Saber Comunitário, foi com o CIEDS e o SESC. E depois desse, foram vários outros”. 

Separada e mãe de dois filhos, sendo uma especial, Carla está sempre buscando alternativas para o sustento da família. Cinco anos atrás entrou em um projeto social de aulas de grafite para mulheres, foi se aprimorando, conhecendo pessoas e abrindo caminhos e oportunidades. Hoje tem o grafite como uma frente de trabalho e leva arte para escolas, por meio de pinturas e oficinas.

Com a pandemia do Covid-19 no início de 2020, todos os projetos onde estava trabalhando foram paralisados e o apoio financeiro complementar do Pintar o Bem veio para tornar esse momento um pouco melhor.  

“Neste momento, estou com meus recursos financeiros escassos. Recebi cesta básica de projetos aqui na minha comunidade, ela ajuda, mas não tem tudo, não tem carne, verdura, legume, então ser complementada com o Apoio Financeiro do Pintar o Bem foi muito bom para ter poder de compra. Usei o recurso na farmácia e até no hortifruti da pracinha, foi muito bom poder comprar e fortalecer os comércios locais da comunidade onde eu moro”.  

Carla e o CIEDS tem essa relação antiga e é assim que a instituição busca tecer seus projetos, com redes de parceiros estratégicos comprometidos com o desenvolvimento sustentável do Brasil. “Estou muito feliz de estar mais uma vez contemplada com uma oportunidade do CIEDS. A gente tem uma dificuldade muito grande no país que a gente vive, a gente tem que transpor muitas barreiras. Então tendo instituições como o CIEDS, que fazem com que essas oportunidades se ampliem, é que a gente cria possibilidades de ampliar nossa vida também” destaca Carla.

Texto por: Marina Rotenberg

Últimas notícias

  • Balcão de Ideias dialoga sobre potências e desafios do ensino integral

    Pilar Lacerda, Diretora da Fundação SM Brasil, foi uma das convidadas

    Leia Mais
  • Inscrições abertas para a Agência Aprendiz!

    Nove aprendizes receberão a missão de movimentar nosso Coletivo nas redes

    Leia Mais
  • Ingrid e Rafael inovam na comunicação e divulgação da Biblioteca

    Os jovens usam as redes sociais como estratégia para engajar novos públicos

    Leia Mais