Quem é que paga a conta da responsabilidade social?

Mais e mais empresas se envolvem com ações sociais. Muitas vezes, no entanto, responsabilidade social se confunde com marketing.

O Centro de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, CIEDS, tem desenvolvido parcerias com alguns atores que exercem, verdadeiramente, a responsabilidade social. Por exemplo, no Ceará, o CIEDS é parceiro da Fundação I Can, criação de um casal canadense que com esforços e recursos próprios implantou bibliotecas em comunidades carentes em Fortaleza. Na nossa área, a Responsabilidade Social é o tema da vez.

Mais e mais empresas se envolvem com ações sociais. Muitas vezes, no entanto, responsabilidade social se confunde com marketing. As empresas criam institutos com seus nomes e lhes dirigem recursos que seriam destinados a impostos, ou seja, ao Estado que deve prover uma vida de qualidade para todos. Por meio desses arranjos, acontece uma verdadeira privatização dos impostos, já que esses institutos decidem o que fazer com os recursos que seriam públicos.

E fazem gigantescas campanhas de marketing, destacando seus investimentos na área social! O que fazem é mesmo é responsabilidade social empresarial?? Por que não tiram de seus lucros operacionais os recursos para ações sociais, culturais e educativas. Porque compramos, por valores altíssimos, livros que trazem o selo da lei Roaunet? O selo informa que o livro foi produzido com recursos oriundos da renúncia fiscal! Esse debate não é novo, mas é justo.

O CIEDS, comprometido com o fortalecimento do Terceiro Setor, se sente no dever de puxar essa discussão. Podemos questionar a legitimidade dos ditos encontros do Terceiro Setor onde só participam representantes empresariais! E também a prática de cooptar os profissionais formados pelas ongs com ofertas salariais maiores enfraquecendo assim todo o investimento na formação de quadros. Mas o consumidor pode mudar esse cenário. Como todo economista sabe, o mercado é o maior regulador das distorções sociais.

Nos Estados Unidos, as grandes marcas já não associam mais seus nomes a fundações de ação social. Estas são iniciativas das famílias proprietárias de grandes marcas que utilizam recursos próprios e não os da empresa para fazer ação social. Devemos, nós também, brasileiros, exigir que responsabilidade social empresarial seja feita através de investimento próprio e não por meio de renúncias fiscais, afinal o imposto pago é o que sustenta políticas públicas, dirigidas a todos nós.

Autor: Vandré Brilhante - Economista e Diretor-Presidente do CIEDS